Dia de formatura

Bia Bartel diz sobre a foto: “Dia da Formatura do Ensino Fundamental, em 1978, na Escola José Duarte Magalhães. Aparece nesta foto a professora Isaura Silveira, entregando para mim o meu diploma.Também aparecem na foto a querida professora Darci Franke Welk (in memoriam), e a professora Iria Satler (in memoriam). Saudades deste tempo e das professoras que já não estão mais conosco”. ( Antigamente em Jaraguá do Sul)

Os Integralistas

Osni Bolduna comenta a foto que postou no “Antigamente em Jaraguá do Sul”: “Desfile integralista de Jaraguá do Sul, em 1º de junho de 1935, pela então Avenida Independência, atual Getúlio Vargas”.

A Ação Integralista Brasileira, com forte presença também em Guaramirim, foi um movimento político fascista nacionalista criado em 7 de outubro de 1932 por Plínio Salgado, um escritor modernista, jornalista e político. O movimento conquistou a simpatia de membros da classe dirigente, de uma parcela da classe média e de parte dos oficiais das Forças Armadas.

A Cerealista Schäffer

Geison Schäffer diz sobre a foto: “Essa é a Rua Luiz Sarti, em Nereu Ramos. O galpão pertencia a antiga Cerealista Schäffer”. Charles Belchior Backes acrescenta: “ É da minha época, trabalhei aí no engenho de arroz e na tafona de fubá. Muito boa essa lembrança, saudades do povo de Nereu Ramos”.

Formandos do Abdon Batista

A turma de Formandos do 2º Grau da Escola Abdon Batista, em 1986. A escola  nasceu de um grupo escolar criado pelo interventor estadual, Aristiliano Ramos. A pedra fundamental da construção do prédio foi lançada em 1933 e a inauguração ocorreu cerca de dois anos depois, em 8 de maio em de 1935. Seu primeiro diretor foi o professor Oto de Souza Dreer. Ao longo do tempo, tornou-se referência pela qualidade de educação oferecida e pela sua localização central.

Em 2000, teve sua denominação modificada para Escola de Ensino Médio Abdon Batista. O nome homenageia o médico, jornalista e político baiano. Radicou-se em Joinville onde se elegeu deputado estadual, deputado federal e senador. Foi, também, prefeito daquela cidade e v ice-governador do Estado na gestão de Lauro Müller. Batista morreu em Joinville no dia 15 de março de 1922, aos 71 anos de idade.

Voadores do Boa Vista

Ary Carlos Pradi comenta sobre a foto postada pela professora Bia Bartel: “A asa branca, azul e preta era do Márcio Mielcke. Eu não sei se estava neste dia e a foto deve ser de  83 ou 84”. Diz Márcio Milcke: “Este Jipe vermelho era meu,na época a única condução que subia (o morro das antenas/Boa Vista). A primeira asa à direita era do Ary Carlos Pradi, a do meio era do Paulo, um piloto de São Paulo, e a azul era minha. Esta foto provavelmente é de 1984”. Antonio Weinfurter emenda:

“O primeiro pouso oficial foi numa área próxima ao Baependi, onde está hoje a rodoviária. Na época, só havia as casas no lado oeste da rua. Depois passou para o ‘plumas e paetês’, nome dado pelos voadores à área que hoje é a vila próxima à entrada de Schroeder. Depois, atrás da fábrica de tubos da Ilha da figueira, mais tarde próximo à antena do bairro e, por último, atrás da Weg”. (Antigamente em Jaraguá do Sul)

Jaraguá em 1952

Vista panorâmica da área central de Jaraguá do Sul em 1952, em foto postada por Sérgio Roberto Nass e alguns comentários. Sirlei Betina Lenz Nass: “Minha querida cidade! Minha mãe, Anelore Lenz, tinha 2 anos na época. Vou mostrar a ela”. Lorival Brito: “Minha linda Jaraguá.

Aqui Eu Moro, Aqui Eu Cuido”. Henry Angelika Grandberg: “Saudades desta época, a juventude em anos de ouro”. Tessa Baratto De Araujo: “Essa é a Jaraguá que guardo intacta no meu pensamento, linda!”. Isolde M. Schoenau: “A maior construção era a do Colégio Marista São Luís”. Ademar Ruysam: “Muito linda e aconchegante”. (Antigamente em Jaraguá do Sul/Foto Piazera)

O Centro Administrativo

O engenheiro civil Osmar Günther relembra: “Jaraguá do Sul não tem um Centro Administrativo Municipal (prédio da prefeitura) concebido como tal. Mas dois concursos públicos de anteprojetos foram realizados, um em 1989, outro 10 anos depois, em 1999, ambos coordenados por mim. O primeiro deles, de 89 (gestão Ivo Konell/Ademar Duwe), teve 11 participantes, e foi vencido pelos arquitetos/urbanistas de Curitiba, Ana Lucia Ciffoni (do IPPUC) e Ruy Almeida.

Um júri de 11 pessoas, presidido pelo engenheiro civil Afonso Piazera Neto, contando com os engenheiros civis Wolney Buzzi, Aristides Panstein, Cláudio Maier e Edgar Cardoso da Silva e a arquiteta urbanista Lidia Maria Penna Bastos, escolheu o anteprojeto vencedor. O prédio (a foto é da maquete), com quatro pavimentos e 3.965 m², seria construído em área de 4.587,80 m², nos fundos do prédio atual do Museu Emílio da Silva (antiga prefeitura), no centro da cidade, com acesso pela rua Quintino Bocaiúva.